Translate

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Pirâmide Humana Evolutiva



Observando a História da civilização humana conhecida, nas diferentes civilizações e em diferentes continentes, houve uma característica em comum: a construção de pirâmides.
Por esta razão, somos levados a considerar que as pirâmides têm um significado preponderante na evolução do Homem através dos tempos.
A evolução do conhecimento humano (ou artifícios) tem uma certa semelhança com uma pirâmide, porém invertida, porque é um conhecimento que cresce e amplia-se a partir de uma pequena base.
E o que é que acontece com uma pirâmide invertida que cresce cada vez mais?


A PIRÂMIDE HUMANA EVOLUTIVA

O pensamento e imaginação do humano dão uma reflexão nula da existência e da verdadeira situação universal, porque estas duas forças mentais estão condicionadas a um campo energético tal, onde apenas a experiência é capaz de gerar e desenvolver novas ideias.
Assim, o conhecimento humano é expansivo, crescente e cada vez mais amplo como uma pirâmide invertida, apoiada pelo vértice, como se a cada avanço do conhecimento humano mais uma "pedra" fosse colocada em cima das outras de maneira a alargar cada vez mais a seção reta dessa pirâmide de experiências.
Enquanto o desenvolvimento humano apresentava um equilíbrio razoável, cada "pedra" ia sendo colocada de maneira a manter o centro de gravidade dentro da pequena base fundamental. E tudo parecia bonito, entusiástico e inabalável. Mas, com o aumento incontrolável das divisões e subdivisões, provocadas pelo progresso, torna-se iminente uma grande tragédia pelo desmoronamento de toda esta construção.
O Homem vive no alto desta pirâmide e não tem como escorar e reforçar as bases do seu conhecimento, por si próprio, restando-lhe, apenas, acatar uma orientação externa a este modo de ser.
Senão vejamos: na construção das pirâmides, o Homem, na realidade, foi apenas um instrumento que organizou a construção, pelo simples fato de que ele não sabia como fazer as "pedras", nem como foram feitas; aprendeu a usá-las, mas não sabia fazê-las. E ainda, cada "pedra", cada experiência, já traz em si uma pré-determinação geométrica de onde deve ser colocada e como pode ser usada. É a tal da intuição! Quem transmite?
Então, a orientação externa ao homem está na Natureza – ponto de partida e ponto de chegada de todas as trajetórias, de todos os ciclos.
Esta orientação natural, que é uma orientação Racional, se propõe dar ao Homem a Planta, o Mapa e a Bússola de todo o Universo em que ele existe para que possa concluir a sua trajetória existencial – saber o ponto de partida e saber o ponto de chegada. Saber porque partiu e porque tem que chegar. Saber como partiu e como deve chegar.
E o Homem, de posse do Mapa, da Bússola e da Planta do mundo em que vive, vai poder reforçar e escorar esta pirâmide, alargando a base, tornando-a mais larga do que o platô em que está atualmente e, sendo ele um bom construtor de pirâmides, sentirá o senso lógico em alcançar o ponto final, o vértice agudo desta construção voltado para cima já tendo a base sólida e segura.
A Cultura Racional é o conhecimento da natureza, dado pela natureza para que o ser humano encontre a Planta, o Mapa e a Bússola e saiba ser conduzido racionalmente para o seu mundo de origem.

Podemos ver na Cultura Racional a "Pedra Angular" que faltava para corrigir esta construção humana.
Entretanto, ao apontar para o objetivo final de tudo, a Cultura Racional acaba com a "Idade da Pedra", cessando a construção de pirâmides.
Chega de pedras! Assim se constitui o enigma da sua salvação!

"Todos têm o direito do erro e a perdição, constituindo o enigma de sua salvação!