Translate

quarta-feira, 18 de março de 2015

O eterno descompreendido de si próprio


-"Só sei que nada sei!"


E já sabe muito, se comparado com a maioria que vive de aparências, se julgando certo em tudo e, soberbamente, acima de tudo.

Eis a terrível contradição que vive em cada um de nós. Sabemos que nada somos, mas agimos e pensamos como se tudo fôssemos.

Esta ação de pretensa soberania, dentro do nada ser, talvez seja o indício de que realmente temos algo de plenipotenciário.

Como compreender isto? Como compreender a si mesmo?

Na Origem verdadeira do ser humano, que cria a consciência do Ser, podemos encontrar a compreensão de nós mesmos, desatando os nós da incompreensão.
 
 

O SER HUMANO, O ETERNO DESCOMPREENDIDO DE SI PRÓPRIO


A natureza humana é falha e imperfeita!

Daí chegarmos à conclusão do desconhecimento de nós mesmos.

Já passamos por muitas eras, sempre sem conhecer o nosso verdadeiro natural, que é Racional e, por isso, cada vez mais nos aprofundando num poço sem fundo, procurando saber e sentir a nossa essência. Sempre nos aprofundando e sempre indo cada vez mais "pro-fundo".

Tudo o que precisamos saber é que o ser humano antes de ser o que é, era um ser puro, limpo e perfeito, sem defeitos, mas que, por um ato de desobediência, no uso da Liberdade, perdeu a ligação com o seu natural de perfeição e passou a ser um eterno "descompreendido" de si próprio, pois a sua imperfeição aumentou e continua aumentando à medida que se transforma e se degenera no aprofundamento da vida.

O ser humano perdeu sua comunicação com o mundo puro, limpo e perfeito, como quem se aprofunda num poço e se desliga da luz da superfície, vindo parar numa condição de vida material, sem saber porquê e nem para quê, como quem no fundo do poço encontra a água e nela se dissolve, ficando assim ainda mais aprofundado dentro da sua obscuridade.

E este desconhecimento de si próprio leva o ser humano a toda espécie de confusão, contrariedades e convenções, nunca tendo a certeza do que é e do que não é.

A natureza humana é falha e imperfeita, é uma natureza aparente, falsa e ilusória. Baseia-se nas aparências e aparências não são verdades. Por isso, o ser humano é mentiroso, mentiroso consigo mesmo, ele mesmo se contradiz, ele mesmo se destrói. Vive sempre contra, nunca a favor de si próprio. E quando pensa que não é contra nem a favor, muito antes pelo contrário, é cada vez mais contrário, indo de mal a pior cada vez mais.

O ser humano nasce sem saber porque nasce, sem pedir para nascer. Cresce sem saber porque cresce, refloresce e desaparece. E neste curto espaço de tempo não percebe as transformações que se passam  no  universo. Aprende a falar porque lhe ensinam, se não ensinassem não falaria. Vive porque vê os outros viverem. Cada um de nós é um macaco de imitação dos outros, fica imitando e diz que está criando, inovando, mas o que faz é só repetir, imitar. Modifica sim, mas as modificações são mais uma imitação. Ficamos repetindo aquilo  que falam, que nos ensinam, assim nos consideramos sábios, sem ser.

Sábio é aquele que não precisa estudar, ensina. Quem sabe não estuda, ensina. Se vivemos sempre estudando, pesquisando, cada vez mais, é porque pouco sabemos, ou nada sabemos. O que temos é apenas uma base de discernimento que possibilita desenvolver o pensamento e a imaginação.

E aqui está o âmago da questão! Por que o ser humano é um eterno "descompreendido" de si próprio.

Por não conhecermos nossa origem (a verdadeira) ficávamos sem saber como fomos formados, bem como tudo que nos cerca. Ficamos desligados da "energia" do nosso mundo de origem, a Energia Racional, a energia que deu consequência a estas duas que conhecemos: a Elétrica e a Magnética. E por assim  ser, sem termos a Luz Racional para nos guiar, ficamos perdidos inconscientemente, ligados às duas energias do plano animal. Nossa orientação passou a ser inconsciente.

O ser humano é vinculado a três energias: a Elétrica, a Magnética e a energia primeira, a Racional que é do verdadeiro natural.

Por isso, tem em seu cérebro três polos de ligação: o polo elétrico ligado à Energia Elétrica que lhe dá o pensamento; o polo magnético ligado à Energia Magnética, que lhe dá a imaginação e o polo racional que estava “apagado”, mas que pode ser ligado à Energia Racional e que lhe dá o raciocínio.

O ser humano, como animal racional, fazia uso, ou só faz uso das duas partes inconscientes, o pensamento e a imaginação porque só conhecia as duas "energias", no fundo do poço, a Elétrica e a Magnética, não podia se conhecer verdadeiramente, tinha que ser um eterno desconhecido de si próprio, desenvolvendo-se apenas como animal.

Mas, através do conhecimento de sua origem verdadeira, será possível estabelecer a ligação com a primeira energia, a Racional, e desenvolver o seu polo Racional, chegando ao conhecimento de si próprio de uma forma consciente e Racional. O ser humano está sendo promovido à categoria de Aparelho Racional.

Para que todos possam entrar em contato com a energia primeira, pura, limpa e perfeita, basta ler e reler, repetidas vezes, o Livro Universo em Desencanto. E assim, todos teremos, por si próprios, a definição completa, o conhecimento do que é e como é o ser humano e como é todo o Universo.

Conheceremos então a Fase Racional que é a fase que o ser humano está atravessando, a última fase da vida da matéria, pois o Conhecimento de Cultura Racional, no Livro Universo em Desencanto, objetiva ligar toda a humanidade ao seu mundo de origem na categoria de Aparelho Racional. E todos, então,  vivendo satisfeitos e conhecedores de si mesmos até o fim desta vida de matéria.

P.S. O termo "descompreendido", embora ausente de nossos dicionários de português, foi usado assim mesmo, indicando que já houve em algum tempo ou em alguma outra instância do Universo, a compreensão consciente de si mesmo, de um ser eterno puro, limpo e perfeito, que se tornou "descompreendido" de si próprio pelas transformações a que se submeteu.